O rodapé é um elemento que, quando ausente, causa estranheza. Mas quando bem especificado, exerce funções que vão além da estética.

Pouco se ouve falar do rodapé, quase sempre esquecido. Mas ele é muito importante, pois protege a base da parede do desgaste e também esconde a junção da parede com o piso, muitas vezes com imperfeições. Se não existisse o rodapé, seria corriqueiro ter sujeiras e estragos compostos. Hoje, além de cumprir o papel para o qual surgiu, o rodapé aparece como mais um item da decoração, exercendo função estética. Ele pode tornar o ambiente mais charmoso e revelar o cuidado na escolha de materiais e acabamentos, quando estes forem de qualidade.

 

Segundo a arquiteta Estela Netto, não há uma regra a ser seguida na hora de especificar esse elemento no espaço. “Ele pode ser de material diferente do empregado no piso. Pode ser grande, ou mesmo muito pequeno, como o embutido em perfis metálicos. Gosto de assumir o rodapé, contando com ele para a decoração”, ressalta.

 

O rodapé também pode variar de altura. A arquiteta explica as diferenças entre uma peça alta e outra baixa: “O rodapé mais alto garante luxo, torna-se imponente. Já quando ele é embutido, mais baixo, denota contemporaneidade e arrojamento”. Para quem optar por rodapés feitos de pedras naturais, granitos, mármores e limestones são ótimas escolhas, pois agregam beleza e sofisticação ao ambiente. “A pedra torna o acabamento mais harmonioso. O rodapé de granito, por exemplo, ainda tem a vantagem de facilitar a limpeza do local, já que não deixa que a água molhe a parede”, conta o diretor da Directa Piedras Marcelo Milagre.

 

Quando o piso for de pedra, é prudente que o rodapé acompanhe essa escolha e seja especificado com o mesmo material. Assim, o espaço fica mais harmonioso.  “O rodapé não precisa ser o mesmo em toda a casa, mas é ideal que acompanhe o piso em pedra”, reforça Marcelo.

 

Além das pedras, como granitos, mármores e limestones, pode-se lançar mão de outros materiais para o rodapé. Com criatividade, consegue-se efeitos muito interessantes. “O PVC e a madeira dão a sensação de que a parede está flutuando. Outro coringa é o uso do PVC pintando de brando. Fica lindo”, encerra Estela.

 

Informações da assessoria  de imprensa Mão Dupla Comunicação.